Tratamento Síndrome Complexa de Dor Regional e Distrofia simpático reflexa


O paciente requer um modelo de tratamento multidisciplinar onde os cuidados estão centrados na reabilitação, que é o componente mais importante, associado ao uso de medicamentos para aliviar os sintomas 1,3,5,7,9,11,18,19.

A abordagem deve envolver:

a. Tratamento analgésico
b. Tratamento fisioterápico
c. Tratamento psicológico

Os locais apropriados para o tratamento destes pacientes são as Clínicas de Dor.

O objetivo da equipe deve ser o restabelecimento da função do membro afetado (mesmo que em longo prazo), prevenção das alterações tróficas dos tecidos e a reabilitação psíquica, social e profissional. Os esforços e atenção devem ser concentrados na terapia física vigorosa e ocupacional.

Tratamento médico

O papel do médico é coordenar a equipe, promover o alívio dos sintomas facilitando a reabilitação.

O controle analgésico pode ser alcançado utilizando medicamentos ou métodos cirúrgicos. Técnicas como Acupuntura ou Hipnose podem ser úteis, mas ficam reservadas para profissionais qualificados.

A interrupção do tabagismo parece diminuir a incidência de SCDR. Em um estudo retrospectivo com 53 pacientes com SCDR, houve menor incidência da doença entre os não fumantes (68 versus 37%).13 Tratamento farmacológico A ausênica de entendimento dos mecanismos patofisiológicos e de claros critérios diagnósticos dificultam a realização de estudos que avaliem as modalidades terapêuticas para a SCDR. Na literatura internacional há três revisões de estudos que avaliam o tratamento da SCDR, com resultados pouco estimulantes, e estudos de pouca qualidade.

Prognóstico

A evolução da doença é variável mas comumente pouco favorável. Um estudo de 5,5 anos de seguimento mostrou que 62% dos pacientes apresentavam manifestação motora e dor limitantes . Em contraste um estudo retrospectivo relatou resolução dos sintomas em 74% dos pacientes com SCDR I sendo que idade, sexo e lado afetado não afetaram a evolução, e os doentes cuja fratura foi o fator causal tiveram melhor prognóstico. Em 1183 pacientes a incidência de recorrência foi de 1,8%/ano. Análise retrospectiva de 1006 doentes com SCDR demonstrou uma incidência de 7% de sérias complicações como infecção, ulceração, distonia.